Escola de Teologia para Leigos – ETEL

A Escola de Teologia para Leigos é uma iniciativa da Igreja Católica, pós Concílio Vaticano II, que tem o objetivo de proporcionar formação aos católicos leigos acerca da Teologia Cristã Católica (Tradição, Escrituras e Magistério).

Definição: “Etimologicamente falando, o termo” teologia “vem do vocábulo
grego “theos”, que significa “deus”, e “logos” que denota” estudo”. Da origem
grega, a palavra teologia quer dizer simplesmente “estudos sobre Deus”.
Embora não encontremos nas Escrituras a palavra teologia, ela é bíblica em
seu caráter. Em Rm.3:2 encontramosta logia tou Theou (os oráculos de Deus);
em 1ªPe.4:11 encontramos logia Theou (oráculos de Deus), e em Lc.8:21
temos ton Logon tou Theou (a Palavra de Deus).
Platão (427-347 a.C.) usou esse vocábulo com o sentido de história de mitos e
lendas dos deuses contados pelos poetas. Na Grécia antiga, os poetas foram
os primeiros a se intitular teólogos “por comporem versos em honra aos
deuses”, uma vez que teologia referia-se às discussões filosóficas a respeito de
seres divinos (teogonias) e do mundo (cosmogonias).
No final do século II, Clemente de Alexandria (c. 150-c. 215) contrapôs
theologia a mythologia. Aquela, na condição de verdade cristã a respeito de
Deus, era superior às histórias da mitologia pagã.
A palavra “teologia” parece ter sido incorporada à linguagem cristã nos séculos
IV e V. Referia-se à genuína compreensão das Escrituras. Contudo, o emprego
estava restrito ao conhecimento a respeito da pessoa de Deus. A partir de
Theologia christiana, obra de Abelardo (1079-1142), passou a designar um
corpo de doutrina. Os pais da Igreja cognominaram o evangelista João de “o
teólogo”, por tratar mais detalhadamente do “relacionamento interno das
pessoas da Trindade”. Gregório de Nazianzo (c. 330-389) também recebeu
esse título, especialmente pela defesa da divindade de Cristo. João Calvino
(1509-1564) foi denominado “o Teólogo” por Filipe Melanchthon (1497-1560).
A palavra TEOLOGIA refere-se ao estudo de Deus. Quando usada num
sentido mais amplo, a palavra pode incluir todas as outras doutrinas reveladas
na Escritura. Ora, Deus é o supremo ser que criou e até agora sustenta tudo o
que existe, e a teologia procura entender e articular, de uma maneira
sistemática, a informação por ele revelada a nós. Assim, a teologia se
preocupa com a realidade última. Visto que é o estudo da realidade última,
nada é mais importante. Porque contempla e discuta essa realidade, ela,
consequentemente, define e governa cada área da vida e do pensamento.
Portanto, assim como Deus é o ser ou realidade última, a reflexão teológica é a
atividade humana última.
A teologia é um estudo sempre em andamento, pois o homem é finito e não
chega a um ponto de compreender plenamente o infinito.

♦ O texto bíblico apresenta Deus muito mais através do que faz, do que por
meio de descrições abstratas e proposicionais.
♦ Não se deve separar teologia do conceito de revelação, pois é somente pela
auto-revelação de Deus que se pode conhecer a Deus.
Teologia é a ciência de Deus e do seu relacionamento com o homem e o
mundo físico e espiritual. É a disciplina que apresenta uma formulação
unificada da verdade de Deus e seu relacionamento com a humanidade e o
universo conforme a revelação divina os expõe, e que aplica tais verdades a
todo aspecto da vida e do pensamento humano.
Teologia não é em primeiro lugar produto da atividade humana, mas designa a
notícia de Deus divino e revelado por ele. Deus é o objetivo da teologia, toda
teologia se deve ao saber de Deus a respeito de si mesmo, então a tese do
caráter prático da teologia serve somente a Deus não ao nosso intelecto. O
saber de Deus por parte das criaturas não poderia ser um saber prático, e sim
somente um saber teórico. O conceito de teologia se expressa de modo mais
claro e é plausível em medida máxima se Deus é tomado como o verdadeiro e
abrangente objetivo da teologia. Deus é o ponto de referência de todos os
temas da teologia. Teologia não é um produto da imaginação humana.

Deixe uma resposta